SOBRE O IFB

O Instituto de Foodservice Brasil representa a união da cadeia de valor: fabricantes, prestadores de serviços e operadores, que juntos buscam soluções para temas que impactam suas atuações no mercado de alimentação fora do lar.

redes sociais do ifb

  • Imagem1
  • Imagem2
  • Imagem4
  • Imagem3
Símbolo-da-marca.png

Burocracia atrasa o país, diz Ministro Marcos Pereira em encontro com líderes do mercado foodservice.

 

http://www.mdic.gov.br/noticias/1758-burocracia-atrasa-o-pais-diz-marcos-pereira-em-encontro-com-varejistas-de-alimentos

 

São Paulo (15 de agosto) - Em encontro nesta segunda-feira com representantes do Instituto Foodservice Brasil (IFB), que congrega 33 das maiores empresas do setor de alimentação, o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, disse que a burocracia tem atrasado o desenvolvimento do país e que está trabalhando para promover avanços significativos na melhoria do ambiente de negócios no Brasil. Ele foi convidado pelo presidente da entidade, Alexandre Guerra (CEO Giraffas).

 

O ministro fez um panorama do cenário nacional, a exemplo dos encontros com o Instituto para o Desenvolvimento do Varejo (IDV) e as associações comerciais de São Paulo e do Rio de Janeiro, e novamente defendeu a modernização da legislação brasileira e a revisão das obrigações acessórias. “O Brasil é apenas o 116º entre 189 países propícios para se fazer negócios”, lamentou ao citar o ranking Doing Bussiness 2016, do Grupo Banco Mundial.

 

Marcos Pereira criticou aqueles que fomentam a disputa entre “nós e eles” e que colocam empresários e trabalhadores em “lados opostos na mesa”. Ele disse que é hora de todos atuarem de forma conjunta para recuperar a economia. “Não existe melhor programa social que o emprego. Dignidade para uma pessoa é quando ela tem dois endereços: o de casa e o do emprego”. Para o ministro, é preciso tirar o empresário do sufoco.

 

O ministro falou ainda das demandas que já está trabalhando junto a outros ministérios, como a reforma do PIS/Cofins e a nota fiscal electrónica de serviços na Fazenda, e da necessidade de se aprovar o trabalho intermitente, que permitirá ao empresário – especialmente em negócios com movimentos sazonais - a contratação do trabalhador por hora móvel e não fixa, como ocorre por exemplo nos Estados Unidos.

 

“Integramos um governo de reunificação e de reconstrução nacional. Algumas medidas mais impopulares deverão ser tomadas para que o Brasil avance. Creio que o presidente Michel Temer e a equipe de ministros está preparada para isso. Eu estou totalmente empenhado em deixar algum legado para as próximas gerações”, disse Marcos Pereira.

 

O conselheiro do IFB Marcos Gouvêa (Gouvêa de Souza&MD) disse que o encontro de hoje marcou um período de proximidade com o MDIC e que o setor participará com mais protagonismo das discussões. Gouvêa manifestou preocupação, no entanto, com os gastos do governo. Para ele, o Estado precisa “caber na realidade do país”. O ministro pediu um voto de confiança e que os empresários continuem acreditando no Brasil.

 

Sobre o IFB
Criado por iniciativa de representantes das principais empresas do setor de ‘foodservice’, o IFB representa a a união da cadeia de valor e busca soluções para temas que impactam suas atuações no mercado de alimentação fora do lar. Estas e empresas geral mais de 220 mil empregos em mais de 9,6 mil lojas e faturam R$ 60 bilhões por ano.

 

Compõem a diretoria, além de Guerra e Gouvêa: Marcelo Marinis (Martin Brower); Fábio Alvez (Burguer King); Ricardo Marque (Unilever); Ely Mizrahi (DFS Holding); Marcelo Citrângulo (Nestlé); Ricardo Bomeny (BFFC) e Tupanangyr Gomes (Martin Brower).

 

Assessoria de Comunicação Social do MDIC 
(61) 2027-7190 e 2027-7198 
imprensa@mdic.gov.br 

Please reload