Após novas restrições, bares e restaurantes cobram contrapartidas

O setor de bares e restaurantes vai ser especialmente prejudicado pelo aumento das restrições impostas para conter o aumento da pandemia de covid-19. com serviço de retirada presencial. Já o atendimento por drive-thru será limitado das 5h às 20h, quando começa o toque de recolher. Já o delivery segue permitido em qualquer horário.


“O modelo take away traz uma lucratividade maior do que o delivery, que tem que pagar uma comissão para outras empresas. Essa medida direciona toda a venda para um modelo mais prejudicial, em um momento que o setor já está operando abaixo do equilíbrio”, diz Ely Mizrahi, presidente do IFB (Instituto Food Service Brasil),


Para ele, o aumento e restrições deveria ser acompanhado, no mínimo, das mesmas contrapartidas feitas pelos governos federal, estadual e municipal, no ano passado, no início da pandemia.


“A reabertura do Pronampe, a postergação do pagamento de impostos e, principalmente, a retomada da MP 936, que permite a redução de salário e jornada, deveriam ser replicados imediatamente”, diz.


Para a Associação Nacional de Restaurantes, bares, restaurantes, cafés, quiosques, lanchonetes também estão à beira do colapso e já começa uma nova onda de demissões e falências.


Entre as contrapartidas defendidas pela entidade estão: o perdão de tributos, o refinanciamento de dívidas e empréstimos, a adoção de um plano claro de fomento ao setor da alimentação fora do lar e, em São Paulo, a volta do regime do ICMS praticado nos últimos anos, com o fim do reajuste de 15% em vigor desde 1º de janeiro de 2021.


Imagem: Rovena Rosa/Agência Brasil